terça-feira, 4 de março de 2008

Os 260 calos de Frida

Nasceu numa Sexta-Feira da Paixão, justo na hora em que Cristo era pregado na cruz. Bem no instante em que Raimundo (o Cristo), por artes sabe-se lá de quem, deu de sangrar pelos olhos, boca, ouvidos e nariz. Se isso acontecesse nos domínios das cidades de Deus, certamente haveria um médico que diagnosticasse o sangramento, mas como aconteceu lá pras bandas das terras que o Diabo aceitou só pra não fazer desfeita, o sangue virou chaga de Cristo e para virar milagre ficou faltando pouco.
Talvez pela carência de cego a enxergar de novo, de aleijado a largar muletas e de mudo a danar falação, o parto foi visto por todos como um pálido sinal dos céus. Como nas terras do Diabo as mulheres embucham e desembucham por sina, ninguém deu muita atenção ao sinal e, para não deixarem Deus chateado, deram ao nascido o nome de Maria da Ferida. Nome comprido, esquisito como o montinho de carne que de tão magro só tinha olhos e umbigo.
Com o tempo o fenômeno do sangramento foi ficando esquecido e o nome comprido, reduzido. Maria da Ferida encurtou pra Ferida e, de tanto o povo descascar síbalas e letras, Ferida virou Frida.
Se a criança barriguda e olhuda tivesse nascido lá pras bandas das cidades de Deus, certamente teria pela frente uma vida de estudo e futuro, mas como nascera nas terras que o Diabo aceitou só pra não fazer desfeita, Frida teve pela frente enxada e fardo.
Aos cinco anos de idade, o fardo, que pesava mais do que a cruz que Jesus carregou, deu à Frida os seus primeiros cinco calos. "Sinal dos céus", ela pensou e saiu correndo para exibi-los à família e aos vizinhos. "Calos de enxada", disseram indiferentes. A mãe, ignorante de qualquer teoria psicanalítica, estendeu as mãos caludas e, sem orgulho, num misto de resignação e raiva, exibiu os cento e cinquenta calos das mãos. Cento e cinquenta rochas carnudas, irregulares e cascudas como os cactos da caatinga.
Se Frida morasse nas cidades de Deus e não nas terras que o Diabo aceitou só por obrigação, certamente toparia com algum psicanalista a apontar uma provável competição materna. Mas como de Deus ela só conhecia a ferida e a mãe era tão rota que nada tinha para competir, preferiu considerar as mãos caludas como forma de sabedoria materna.
Aos dez anos brotaram mais alguns calos, entre o dedo polegar e o dedo enrolador de cachos (Frida era vaidosa). Dessa vez não os viu como sinal dos céus e continuou lascando ferida e suor no roçado. A mãe já tinha se ido sem completar duzentos e cinquenta calos. Morte comum, feia como a Chorona (Frida cismara que a Morte assim se chamava).
Se o falecimento tivesse ocorrido lá pras bandas das cidades de Deus, certamente o morto teria caixão e lápide, mas como o acontecido aconteceu nas terras que o Diabo aceitou só pra não fazer desfeita, o cadáver foi enterrado em rede e em pouco tempo foi descavado e roído pelos cães famintos.
O fardo, que era bem maior do que a cruz que Jesus carregou, feriu Frida de tal maneira que em dez anos brotaram mais calos. Ela, que de há muito perdera a paciência de procurar sinais no céu, não se surpreendeu ao vê-los. Acendeu um toco de vela para a mãe defunta, ateou fogo na lenha do fogão e esticou o lombo enquanto o pirão de farinha esquentava.
Se o lombo doesse lá pras bandas das cidades de Deus, certamente seria diagnosticado como desvio da coluna, mas como doía nas terras que o Diabo aceitou só por obrigação, Frida trincou os dentes e dormiu faminta. O pirão que mal enchia três colheres grudou no fundo da panela que nem as feridas no lombo de Frida.
Quanto completou cinquenta e poucos anos, Frida tinha as mãos cobertas por duzentos e sessenta calos, cascudos e feios como a Chorona. O dedo enrolador de cachos já não enrolava cabelos e o polegar mal dava para apoiar o cabo da enxada. O fardo, que há muito superara o calvário de uns duzentos Cristos, perdera o fôlego da sobrevivência e agora arfava como cachorro velho e doente.
Se o fardo vivesse lá pras bandas das cidades de Deus, certamente teria hospital e médico para tratar a asma, mas como era fardo nascido nas terras que o Diabo aceitou só por obrigação, Frida não quis fazer desfeita e contentou-se com um tiquinho de ar que lhe garantisse um pouco mais de esperança.



FRIDA

Um comentário:

Dôla disse...

.....AMO A FRIDA, JÁ VI FILME SOBRE A SUA VIDA E LEIO TUDO QUE CAI EM MINHAS MÃOS, MULHER LINDA, FORTE, INTELIGENTE, TALENTOSA E ADORÁVEL......

Chet

Chet

Home Sweet Home

Home Sweet Home
Que buraco é esse que me faz comer a geladeira?

Livros & Livrarias

Livros & Livrarias
Livrarias são janelas. Livros olham o mundo.Livrarias libertam. Livros revolucionam.

Senhoras do Santíssimo Feminino

Senhoras do Santíssimo Feminino
O poder sagrado Delas.

A Pergunta de Lacan

A Pergunta de Lacan
O mistério do gozo das mulheres

Afrodite & Panelas

Afrodite & Panelas
E no princípio era a GULA...

A Casa

A Casa
O mundo olha pelas nossas janelas...

Um Lance de Dados

Um Lance de Dados
Jamais abolirá o acaso

O Caldeirão

O Caldeirão
Ele não está no final do arco-íris

Armário e Gavetas

Armário e Gavetas
O que será que eles revelam?

Minha Cozinha

Minha Cozinha
Onde tudo começou.

Meus Segredos

Meus Segredos
Laços e refogados culinários

Nossas Luas

Nossas Luas
E são treze...

Seduções & Devaneios

Seduções & Devaneios
Eu o escreveria mil vezes!

Guadalupe, a Santíssima Mestiça

Guadalupe, a Santíssima Mestiça
Como amei descrevê-la!

Amor e Cozinha

Amor e Cozinha
Foi uma delícia escrevê-lo!