segunda-feira, 10 de março de 2008

Os Rios Não Usam Calcinhas





Vita dizia que "os rios correm entre as pernas das mulheres". Levei muito tempo para compreender suas palavras, até que vi o Douro fluir entre as pernas de Dona Carolina, uma portuguesa que vendia frutas na feira e morava na mesma vila de Olinda.
Carolina não vivia na janela, e seus olhos não eram triste; eram velhos. Carregava a ancestralidade lusitana dentro de uma sacola cheia de frutas e legumes que trazia para casa ao final da feira. Voltava cansada, com os pés ardendo e os lábios cansados de sorrir para as freguesas. Talvez por isso não sorrisse à noite. Sorria de dia, e isso bastava. "De noite, só o sono", ela dizia. Dizia e roncava. Dormia em meio às conversas, talvez por cansaço ou porque as pessoas lhe causavam tédio. Nesses intervalos roncava "como um porco", as pessoas comentavam. E no disse-me-disse que a cercava espalhou-se a notícia de que ela não usava calcinha. Dona Carolina não usava calças!
Da noite para o dia, os roncos, o dente de ouro, a viuvez "suspeita", a adulteração da balança que pesava as frutas foram simplesmente esquecidos. A calcinha, ou sua falta, tornou-se o principal falatório da vila. Não se aventava mais a hipótese de cianuretos, mamonas, comigo-ninguém-pode, chumbinho de rato e uma lista infindável de venenos, como prováveis causas da morte de seu finado marido. Não, se Carolina era uma exímia conhecedora de venenos, isso não indicava nada: "O homem morreu de morte morrida." Depressa arquivaram a "investigação" para melhor concentração no verdadeiro crime, digno das manchetes dos melhores jornais : ANCIÃ NÃO USA CALCINHA!
Por muitos anos, o crime foi motivo de uma investigação (e falatório) apurada, e dona Carolina transformou-se na principal atração do morro de São Carlos. Deixou de ser a portuguesa das frutas para ser a portuguesa sem calcinhas. Carolina não ligou para o disse-me-disse e continuou vendendo frutas na feira, sorrindo para as freguesas e ouvindo seus fados aos sábados. E foi justamente num sábado que, por mero acaso, desvendei o crime quando a vi sentada na escada de entrada da casa. Perdida na saudade da Lusitânia (ou do finado marido), Carolina esquecera-se de ajeitar a saia e lá estava a prova que o morro inteiro procurava: tufos de algas brancas emaranhados na correnteza do Rio Douro! Naquele dia absolveram Carolina. Chegaram ao veredicto de que os rios não usam calcinhas!


obs: este texto foi extraído do meu livro "Amor se Faz na Cozinha", editado pela Bertrand Brasil.


2 comentários:

Fernanda disse...

Só passei aqui pra dizer que seu blog está lindo... E você idem.
Queria agradecer pelos textos que me envia, são fantásticos, salvo todos. Bjks da sua prima Fernanda Lima.

DM disse...

Bjs

Chet

Chet

Home Sweet Home

Home Sweet Home
Que buraco é esse que me faz comer a geladeira?

Livros & Livrarias

Livros & Livrarias
Livrarias são janelas. Livros olham o mundo.Livrarias libertam. Livros revolucionam.

Senhoras do Santíssimo Feminino

Senhoras do Santíssimo Feminino
O poder sagrado Delas.

A Pergunta de Lacan

A Pergunta de Lacan
O mistério do gozo das mulheres

Afrodite & Panelas

Afrodite & Panelas
E no princípio era a GULA...

A Casa

A Casa
O mundo olha pelas nossas janelas...

Um Lance de Dados

Um Lance de Dados
Jamais abolirá o acaso

O Caldeirão

O Caldeirão
Ele não está no final do arco-íris

Armário e Gavetas

Armário e Gavetas
O que será que eles revelam?

Minha Cozinha

Minha Cozinha
Onde tudo começou.

Meus Segredos

Meus Segredos
Laços e refogados culinários

Nossas Luas

Nossas Luas
E são treze...

Seduções & Devaneios

Seduções & Devaneios
Eu o escreveria mil vezes!

Guadalupe, a Santíssima Mestiça

Guadalupe, a Santíssima Mestiça
Como amei descrevê-la!

Amor e Cozinha

Amor e Cozinha
Foi uma delícia escrevê-lo!