sexta-feira, 14 de março de 2008

Senhoras do Santíssimo Feminino


Talvez por saberem o quanto é difícil retirar as nódoas dos vidros, elas não apareceram nos das minhas janelas. Preferiram as vias do inconsciente e das sincronicidades junguianas. Mas a despeito dos recursos que utilizaram, a verdade é que chegaram. Em bando. Como um cortejo de mulheres em busca de uma liquidação que valha a pena. Chegaram em brilhos, com o mesmo sol ofuscante que um dia banhou os olhos de um índio lá pelas bandas do México. Não me pediram nada nem revelaram segredos quanto ao destino da humanidade. Me disseram que só queriam conversar e mais nada. Acostumada com as assombrações que teimam em me visitar desde menina, não me assustei nem achei estranho. Afinal, que diferença haveria entre o fantasma de minha bisavó Luiza e a aparição de Nossa Senhora do Perpétuo Socorro? Se muitos encontraram refúgio sob o manto da Virgem, sob as saias negras de Luiza muitas crianças escaparam das palmadas dos pais. Eliminada a hipótese de qualquer diferença, recebi as Senhoras (e o seu séquito de santas) com a mesma intimidade que um dia recebi Dona Lua (e o seu séquito de deusas) de vó Vitalina e os orixás de Vera, a doce cozinheira da minha infância. Entediadas com as pompas que os mortais lhes reservam quando com elas querem falar, as Senhoras respiraram aliviadas quando se viram em meio a um bando de mulheres a tagarelar na cozinha. O riso, antes aprisionado por um contorno sutil de imagem, explodiu solto, livre e sem compromissos. Os véus foram retirados e deixados nos encostos das cadeiras. As mãos, dormentes pela incômoda posição de eterna prece, soltaram-se ávidas, à procura de um naco de pão ou de alguma guloseima. Os braços, antes enrijecidos na intenção de um abraço impossibilitado pelo gesso, descobriram os desenhos dos gestos e o calor do toque. Enfim, agora estavam livres para ser somente mulheres. Mas como dizia Vitalina, " mulheres são mães dos milagres"...
Na foto,Vita e Nazir; Senhoras de extraordinária força.
Obs:texto extraído de meu livro, "Senhoras do Santíssimo Feminino" editado pela Editora Rosa dos Tempos.

4 comentários:

Laís disse...

está linkada em meu blog.
Com muito prazer.
dá uma aparecida por lá também..

mil Luas pr'ocê!

Mariana Massarani disse...

Marcia! O blog esta lindão. A diagramação está arrebentando! Estou aqui com a Santeiro tomando um vinho meio vagabundo.

Laís disse...

Nossa...não sabia desta infência em Teresina!Conheço o Jóquei sim...mas a fazenda eu fico devendo.
Leio teus livros com muita sede.. é delicioso o modo como tu escreve...
Quanto à cajuína: pode deixar! Hoje mesmo!

Abraços...

Druidesa disse...

Olá Márcia!
Apenas informando.
Esse seu livro,"Senhoras do Santíssimo Feminino", li em uma única e exclusiva respiração.
Das 09hs00 às 21hs00. Ou seja, comi o livro!
É uma delicia!
Recomendo.

Abraços...

Chet

Chet

Home Sweet Home

Home Sweet Home
Que buraco é esse que me faz comer a geladeira?

Livros & Livrarias

Livros & Livrarias
Livrarias são janelas. Livros olham o mundo.Livrarias libertam. Livros revolucionam.

Senhoras do Santíssimo Feminino

Senhoras do Santíssimo Feminino
O poder sagrado Delas.

A Pergunta de Lacan

A Pergunta de Lacan
O mistério do gozo das mulheres

Afrodite & Panelas

Afrodite & Panelas
E no princípio era a GULA...

A Casa

A Casa
O mundo olha pelas nossas janelas...

Um Lance de Dados

Um Lance de Dados
Jamais abolirá o acaso

O Caldeirão

O Caldeirão
Ele não está no final do arco-íris

Armário e Gavetas

Armário e Gavetas
O que será que eles revelam?

Minha Cozinha

Minha Cozinha
Onde tudo começou.

Meus Segredos

Meus Segredos
Laços e refogados culinários

Nossas Luas

Nossas Luas
E são treze...

Seduções & Devaneios

Seduções & Devaneios
Eu o escreveria mil vezes!

Guadalupe, a Santíssima Mestiça

Guadalupe, a Santíssima Mestiça
Como amei descrevê-la!

Amor e Cozinha

Amor e Cozinha
Foi uma delícia escrevê-lo!