segunda-feira, 31 de março de 2008

Dorothy Parker

Quando o fantasma de Virgínia
aqui em casa veio morar
não chegou desacompanhado
e trouxe outro pra assombrar.
Enquanto Virgínia vagava encharcada
entre os livros da biblioteca
Dorothy fuçava gavetas e armários
experimentando vestidos e sapatos
com ares de boneca.
Virgínia chorava pelas rugas
e pelos cabelos grisalhos.
Dorothy a socorria com cremes
e penduricalhos.

Um dia, Virgínia deu de andar cismada. Sentava calada num canto da sala e de lá não saía nem se Fátima a chamasse. Folheava um velho álbum de fotografias, enquanto resmungava aflita: “Deve estar por aqui aquela senhora que toda manhã cisma em me aparecer no espelho!”.

2 comentários:

Quimera disse...

Sabe por que amo tanto seus textos?
Porque me faz lembrar minha infância... Minha avó... Ah! Como era (e ainda é) bom, né?!
Beijosss

jorge vicente disse...

muito bom texto!!!

um abraço
jorge vicente

Chet

Chet

Home Sweet Home

Home Sweet Home
Que buraco é esse que me faz comer a geladeira?

Livros & Livrarias

Livros & Livrarias
Livrarias são janelas. Livros olham o mundo.Livrarias libertam. Livros revolucionam.

Senhoras do Santíssimo Feminino

Senhoras do Santíssimo Feminino
O poder sagrado Delas.

A Pergunta de Lacan

A Pergunta de Lacan
O mistério do gozo das mulheres

Afrodite & Panelas

Afrodite & Panelas
E no princípio era a GULA...

A Casa

A Casa
O mundo olha pelas nossas janelas...

Um Lance de Dados

Um Lance de Dados
Jamais abolirá o acaso

O Caldeirão

O Caldeirão
Ele não está no final do arco-íris

Armário e Gavetas

Armário e Gavetas
O que será que eles revelam?

Minha Cozinha

Minha Cozinha
Onde tudo começou.

Meus Segredos

Meus Segredos
Laços e refogados culinários

Nossas Luas

Nossas Luas
E são treze...

Seduções & Devaneios

Seduções & Devaneios
Eu o escreveria mil vezes!

Guadalupe, a Santíssima Mestiça

Guadalupe, a Santíssima Mestiça
Como amei descrevê-la!

Amor e Cozinha

Amor e Cozinha
Foi uma delícia escrevê-lo!