sábado, 15 de março de 2008

A Lua dos Malefícios



Quando a lua avermelhava no céu, Luiza catava ervas no terreiro, defumava a casa e as meninas (na casa só moravam mulheres). Cerrava as janelas, acendia velas e rezava o terço. Nessa noite não dormia. Vigiava o mundo. Velava os vivos. Ouvia vozes que ninguém mais ouvia. Dentro da casa, as meninas rezavam. Do lado de fora, os vizinhos espiavam. Luiza sabia que no dia seguinte as crianças da rua a acompanhariam com troças. Não ligava. "São anjos", ela dizia. Luiza compreendia a inocência dos anjos e sabia que eles nada podiam fazer. "A inocência às vezes é estúpida", filosofava com os seus botões. Sua mãe lhe ensinara a temer a hemorragia da lua. Dissera que era um aborto. A lua vermelha abortava pragas. Quando ela abortava, o Canhoto enchia a pança de maldade. Deus não podia fazer nada. Estava a léguas de distância, brincando com os anjos. A terra ficava entregue ao Canhoto e a Lua, à sua enfermidade. Luiza quis saber por quê a Lua, que era tão forte, ficava fraca. A mãe lhe respondeu: "Para mostrar como os homens são estúpidos.". Luiza acatou de bom grado a resposta. Seguiu os seus dias tomando conta do céu. A princípio, quando ainda acreditava na reversão da estupidez, bem que tentou avisar aos vizinhos que o céu prometia catástrofes. Ninguém lhe ouviu. Ela viu então a Lua ficar vermelha antes da primeira guerra, antes do mar engolir o Titanic, antes da segunda guerra, antes do massacre no Vietnã, e antes de muitas epidemias. Como ninguém lhe deu ouvidos, preferiu silênciar e guardar para si os prenúncios das tragédias. Concluiu que a estupidez é coisa que não se reverte. "É obra do canhoto", definiu. Morreu com o terço na mão, pedindo à Mãe que velasse pelos estúpidos. Se na hora de se encontrar com a Morte, viu ou não uma outra Lua Vermelha, isso ficou entre ela e a Morte. Só sei que não faz muito tempo, a Lua deu de sangrar no céu...


3 comentários:

vevefeo disse...

Linda postagem Márcia, o seu modo de escrever suas idéias, valoriza a nós mulheres.
Abraços,
vevefeo
(A MELHOR ESCOLHA- AME)

Guto Leite disse...

Preciso complementar: não valoriza somente às mulheres... Adorei, obviamente, todas as postagens que li e, em especial, esta prosa. Estilo, força, não posso deixar de admirar quem escreve como quem sangra! Retomarei sempre as visitas! O prazer é todo meu.
p.s.: posso adicionar seu blog como link no meu blog? Grande abraço!

danand disse...

que bello!!!!Marcia...é como dizia Luiza "inocente e estupido" ou como Raul "inocente puro e besta" se acham aos baldes, não se vê a lua, não se vê nada além do que uns palmos separam os olhos do umbigo, e assim que se sucedeu o definhamento hoje de nossas benzedeiras e rezadeiras, que tinham o todo como mundo e o conheciam de cor e salteado, sabiam com um olhar suas mensagens...quem sabe elas não estão surgindo das cinzas...enfrentando os mesmos olhares de desdém mas criando força e vida para um bem comum..??
muitas beijocas de sua fã de carteirinha...

Simone de Cassia

Chet

Chet

Home Sweet Home

Home Sweet Home
Que buraco é esse que me faz comer a geladeira?

Livros & Livrarias

Livros & Livrarias
Livrarias são janelas. Livros olham o mundo.Livrarias libertam. Livros revolucionam.

Senhoras do Santíssimo Feminino

Senhoras do Santíssimo Feminino
O poder sagrado Delas.

A Pergunta de Lacan

A Pergunta de Lacan
O mistério do gozo das mulheres

Afrodite & Panelas

Afrodite & Panelas
E no princípio era a GULA...

A Casa

A Casa
O mundo olha pelas nossas janelas...

Um Lance de Dados

Um Lance de Dados
Jamais abolirá o acaso

O Caldeirão

O Caldeirão
Ele não está no final do arco-íris

Armário e Gavetas

Armário e Gavetas
O que será que eles revelam?

Minha Cozinha

Minha Cozinha
Onde tudo começou.

Meus Segredos

Meus Segredos
Laços e refogados culinários

Nossas Luas

Nossas Luas
E são treze...

Seduções & Devaneios

Seduções & Devaneios
Eu o escreveria mil vezes!

Guadalupe, a Santíssima Mestiça

Guadalupe, a Santíssima Mestiça
Como amei descrevê-la!

Amor e Cozinha

Amor e Cozinha
Foi uma delícia escrevê-lo!