quinta-feira, 3 de abril de 2008

Pane Aqualouca

Eles flutuam sobre as toalhas
nas pregas imersas no anil do tanque.
Conhecem os desvios óticos
que confundem o mar com o mangue.
São panos embranquecidos pelos dedos
de mulheres mortas.
Damas que esfregam sonhos na bacia
e estendem a luxúria em varais.
São retalhos esquizofrênicos
espantalhos cênicos
notas de um blues no palco.
São falos das lavadeiras
que escorregam no sabão da heroína
de um pano de prato drogado.

Levei muito tempo para descobrir a razão do desemparelhamento dos brincos de Vitalina: ela amava a liberdade.

Um comentário:

Liz Christine disse...

adoro teus textos...

Chet

Chet

Home Sweet Home

Home Sweet Home
Que buraco é esse que me faz comer a geladeira?

Livros & Livrarias

Livros & Livrarias
Livrarias são janelas. Livros olham o mundo.Livrarias libertam. Livros revolucionam.

Senhoras do Santíssimo Feminino

Senhoras do Santíssimo Feminino
O poder sagrado Delas.

A Pergunta de Lacan

A Pergunta de Lacan
O mistério do gozo das mulheres

Afrodite & Panelas

Afrodite & Panelas
E no princípio era a GULA...

A Casa

A Casa
O mundo olha pelas nossas janelas...

Um Lance de Dados

Um Lance de Dados
Jamais abolirá o acaso

O Caldeirão

O Caldeirão
Ele não está no final do arco-íris

Armário e Gavetas

Armário e Gavetas
O que será que eles revelam?

Minha Cozinha

Minha Cozinha
Onde tudo começou.

Meus Segredos

Meus Segredos
Laços e refogados culinários

Nossas Luas

Nossas Luas
E são treze...

Seduções & Devaneios

Seduções & Devaneios
Eu o escreveria mil vezes!

Guadalupe, a Santíssima Mestiça

Guadalupe, a Santíssima Mestiça
Como amei descrevê-la!

Amor e Cozinha

Amor e Cozinha
Foi uma delícia escrevê-lo!