domingo, 6 de abril de 2008

Morte Insúbita

Naquela manhã, João já estava morto quando saiu de casa. E de nada adiantou o sol a lhe machucar as vistas, o cheiro do café ralo a embrulhar o estômago, o pão duro a quebrar os poucos dentes que tinha, a gilete enferrujada a ziguezaguear pelas alamedas rugosas da face que já não reconhecia no espelho, porque a Morte já havia chegado, faz tempo.
Por teimosia ou por falta de dinheiro para o enterro, não foi enterrado. Apodreceu sem fedor, inodoro, sem vermes a comer uma carne que já não tinha, sem moscas a ciscar açúcar em tanta azedura. Azedo. Virou morto-azedo. Um cadáver amargoso a varejear pelas ruas, em busca da vida doce que a televisão prometia. Um cadáver que de tão morto, humilhado e ofendido, não encontrou forças para morrer morrido. E assim, sem morte morrida nem vida vivida, virou vácuo. E como o vazio é uma sacola cheia de nada, se acostumou com a metafísica substância. Tinha nada, recebia nada, esperava nada, sonhava nada, vivia nada.
Por nadificação ou por aposentadoria a nadificar o tudo de suor que lascou numa época em que foi quase vivo, acostumou-se com a falta de comida, a falta de gosto, a falta de remédios, a falta de dentes, a falta de dignidade, a falta de bolsos, a falta de luz, a falta de conforto, a falta de si e até a falta que ele para os outros não fazia. Virou falta plena. Tão faltoso que nem dor mais sentia.
Se fosse eu ou você a viver o nada, certamente o faríamos por filosofia, mas João era diferente e o vivia por pura agonia. Uma agonia sem as angústias da psicologia. Agonia crua, sangrenta e mal passada como os bifes que ele não comia. Agonia agoniada como as contas claustrofóbicas na gaveta. Agonia assombrada como as parcas moedas a balançar no bolso. Agonia de um dente a doer sem estar na boca, de um coração a arder sem estar no peito, de um tumor a crescer dentro de um cérebro que perdeu a cabeça...
Por piedade de um Deus descrente dos homens ou por um tico de esperança que ainda tinha, João saiu de manhã para receber a aposentadoria. Arrastou as pernas que já não tinha, por avenidas, ruas, becos e vielas. Cruzou o mundo dos vivos fazendo esforço para não fazer barulho nem incomodar. Em silêncio se postou na fila do banco, que de tão grande virava a calçada. Não reclamou (o nada nunca reclama ) e penou seis horas debaixo do sol. Quando chegou ao guichê, Deus se revelou em divina maldade e o matou de susto: a aposentadoria fora suspensa por artimanhas da burocracia.

3 comentários:

Guto Leite disse...

Que delícia de humor, Márcia. Uma semana muito inspirada!

Nana disse...

Pensei que no fim ele não ia sentir é nada... afinal, de tanto 'nadar' a passividade era o que não era, fazia o que não fazia, via o que não via...

Mas, ainda assustou.
Será que pelo 'nadar da carruagem', o susto seria ínfimo para quem sente, mas quem não sente nada, quando sente assusta tanto que o susto assusta o susto, e esse morre de susto?

Vai saber não é?

Bjuxxx fiota!
Ótima semana

PAI LINALDO T'OGUM disse...

gostei de ler esse blog ..
parabéns, voltarei.

"Sim, a vida é um corte. Toda vez que você caminha rua abaixo, ou mesmo olha pela janela, sua consciência é continuamente cortada por fatores fortuitos".
O Livro Invisível de Willian Burroughs

Chet

Chet

Home Sweet Home

Home Sweet Home
Que buraco é esse que me faz comer a geladeira?

Livros & Livrarias

Livros & Livrarias
Livrarias são janelas. Livros olham o mundo.Livrarias libertam. Livros revolucionam.

Senhoras do Santíssimo Feminino

Senhoras do Santíssimo Feminino
O poder sagrado Delas.

A Pergunta de Lacan

A Pergunta de Lacan
O mistério do gozo das mulheres

Afrodite & Panelas

Afrodite & Panelas
E no princípio era a GULA...

A Casa

A Casa
O mundo olha pelas nossas janelas...

Um Lance de Dados

Um Lance de Dados
Jamais abolirá o acaso

O Caldeirão

O Caldeirão
Ele não está no final do arco-íris

Armário e Gavetas

Armário e Gavetas
O que será que eles revelam?

Minha Cozinha

Minha Cozinha
Onde tudo começou.

Meus Segredos

Meus Segredos
Laços e refogados culinários

Nossas Luas

Nossas Luas
E são treze...

Seduções & Devaneios

Seduções & Devaneios
Eu o escreveria mil vezes!

Guadalupe, a Santíssima Mestiça

Guadalupe, a Santíssima Mestiça
Como amei descrevê-la!

Amor e Cozinha

Amor e Cozinha
Foi uma delícia escrevê-lo!