quinta-feira, 26 de junho de 2008

Parcus Tristes



Porcus tristes. Amei a expressão e troquei o ‘o’ pelo ‘a’, para torná-la mais de acordo com o mundo tristíssimo em que vivemos. Um mundinho careta, abominavelmente comprometido com as falcatruas, as ignomínias e o desamor.
Ah, parcus tristes, como foi que a humanidade foi parar no esgoto e não se deu conta? Por que continuas a me olhar com esses olhões de vaca triste? Por que o teu leite tem o gosto das lágrimas e tua carne, o sangue da violação?
Por que te tornaste um sacrifício estéril e nem as virgens te honram? Por que tanta paura e solidão no trabalho das tuas parcas irmãs?
Por que a agulha, a tesoura, e o tear delas já não norteiam os homens e inspiram os poetas?
Ah!, parcus tristes, por que emagreceste e te tornaste um esqueleto que assusta as noites e enegrece os dias? Por que já não habitas os confins do Egeu, junto aos lamentos e uivos do homem? Por que assumiste o lugar de Eros? Por que trancafiaste o pequeno deus?
Por que viraste uma afirmação sem perguntas que insiste em não me ouvir?
Agora os tempos são de Parcus Tristes - o deus que o homem, em sua insensatez, elegeu como guardião.

5 comentários:

Talita disse...

Às vezes tão dificil acreditar nesta estranha escolha. Nesta triste escolha. E assim a humanidade ruma para o caos, ... se é que ainda ruma para algum lugar.

tulipa disse...

Em dias nublados como esses,o que posso ver ou tocar me afasta de meu mundo exterior. Então apenas fecho os meus olhos, maus tradutores de meus sentidos,e como se apenas apagasse as luzes, me deito em lembranças e me aqueço em cobertores em memórias que precinto.

William C Di Biasi disse...

como sei amar suas palavras q ja muito me inspiraram. Meus caminhos de Bruxo, pequenino q sempre fui, nas cozinhas de minha vida e na vida de um pai precoce. Quantas vezes me encontrei nos seus paragrafos. quantos sabats comemoramos juntos sem nnca ter trocado sequer uma palavra contigo... amo as palavras q saem de sua alma, porque somos todos parte das mesma mae.
http://lencodepapel.blogspot.com/

Guto Leite disse...

É, Márcia, de acordo! As coisas vão mesmo baixas baixas...
Grande beijo.

CHRISTINA MONTENEGRO disse...

Sua tristeza acolheu as minhas de maneira espetacularmente fraterna; OBRIGADA; tô aqui dando uma choradinha, mas aliviadíssima.
BEIJOS prá você e toda a talentosa família.

Chet

Chet

Home Sweet Home

Home Sweet Home
Que buraco é esse que me faz comer a geladeira?

Livros & Livrarias

Livros & Livrarias
Livrarias são janelas. Livros olham o mundo.Livrarias libertam. Livros revolucionam.

Senhoras do Santíssimo Feminino

Senhoras do Santíssimo Feminino
O poder sagrado Delas.

A Pergunta de Lacan

A Pergunta de Lacan
O mistério do gozo das mulheres

Afrodite & Panelas

Afrodite & Panelas
E no princípio era a GULA...

A Casa

A Casa
O mundo olha pelas nossas janelas...

Um Lance de Dados

Um Lance de Dados
Jamais abolirá o acaso

O Caldeirão

O Caldeirão
Ele não está no final do arco-íris

Armário e Gavetas

Armário e Gavetas
O que será que eles revelam?

Minha Cozinha

Minha Cozinha
Onde tudo começou.

Meus Segredos

Meus Segredos
Laços e refogados culinários

Nossas Luas

Nossas Luas
E são treze...

Seduções & Devaneios

Seduções & Devaneios
Eu o escreveria mil vezes!

Guadalupe, a Santíssima Mestiça

Guadalupe, a Santíssima Mestiça
Como amei descrevê-la!

Amor e Cozinha

Amor e Cozinha
Foi uma delícia escrevê-lo!