sexta-feira, 24 de outubro de 2008

Tubinhos, Traças & Chaves


Cadê meu velho armário?
Em quais cabides
se esconderam os tubinhos,
as kilts inglesas
e os conjuntos de cashemere?
Cadê os sapatinhos baixos,
cavados até o dedão?
Cadê as tardes de sábado
e vitrola suitcase
preparada para a festa?
Cadê a festa?Quem apagou a luz
e chamou o síndico?
Cadê Billie que não canta,
Chet que não sola,
João Gilberto que não namora
e Elvis que não rebola?
Em qual buraco se meteu
a dor trágica dos amores
sempre não correspondidos?
Em qual vácuo do ar
se dissipou o pinho silvestre
do cheiro dos meninos?
Cadê o coração que não dispara,
a voz que não defunta a garganta
e a boca que não molha?
Chaves trancaram o armário
e no centro do quarto vazio
um espelho em viuvez
reflete um bau de lembranças...
roídas pelas traças.
Obs: se você gostou, dá uma lida em meu livro O Feitiço da Lua, publicado pela Editora Bertrand. Aposto que você gostará.

3 comentários:

Eliana BR disse...

Marcia, querida,
Eu era da turma que na podia ter conjuntinhos de cashemire nem os maravilhosos sapatinhos cavados ( era da turma que lambia as vitrines). Muito menos kilts inglesas, so de ver no Jornal do Brasil. Mas vestido tubinho todo mundo podia ter. E terninho, de saia tive alguns, de calça comprida so um ( como era dificil cortar blazer e calça comprida!!!) Na turma da rua a vitrola nao parava nem sexta nem sabado. E as vezes a mesma vitrola tinha de viajar nos ombros dos "meninos" pois nem todo mundo tinha vitrola ( la em casa, por exemplo, nao tinha) mas chao todo mundo tinha... e dançar sexta, sabado e domingo era quase obrigatorio. Era obrigatorio. Domingo era a domingueira no clube.
Billie e Chet so conheci muito depois. Nossos convidados eram os italianos, Pepino di Capri na primeira fila e dos Esteites vinha em primeiro lugar Nat "King" Cole. E os Romanticos de Cuba e Ray Connif e Metais em Brasa. E havia umas orquestras ao vivo que punham todo mundo louco e serviam de objeto de castigo pra muita mae: orquestra Tabajaras, Severino ...Araujo? e Ed Lincoln e Waldir ... ( esqueci o sobrenome desses magicos). E o Castillo de Sevilla, que nos adoravamos.
Pois é, amiga, acho que vivemos um mesmo tempo em lugares sociais diferentes. Ambos muito divertidos. Aproveitamos muito, de um lado e do outro. E o cheiro do Pinho Silveste, esse, atravessava a baia de Guanabara pra se fixar na memoria de toda uma geraçao.
Bises,
Eliana
cadernodeparis.blogspot.com

Ziza disse...

Márcia internauta psy, recebo sempre com carinho suas mensagens. Não pude faltar a este post que 'é normal, não faz mal, e não engorda' (chistes que rolavam neste tempo). Aliás a gente nem sabia que engordar seria um crime social,midiático.
Nada a acrescentar a tão lindo poema real.Com pequenas diferenças, afinal cada qual em uma cidade, vivemos sim tudo isto...
Noeliza

Anna Carla disse...

Adoro esse figurino, esse cabelos...as vezes acho que nasci na epoca errada!

Chet

Chet

Home Sweet Home

Home Sweet Home
Que buraco é esse que me faz comer a geladeira?

Livros & Livrarias

Livros & Livrarias
Livrarias são janelas. Livros olham o mundo.Livrarias libertam. Livros revolucionam.

Senhoras do Santíssimo Feminino

Senhoras do Santíssimo Feminino
O poder sagrado Delas.

A Pergunta de Lacan

A Pergunta de Lacan
O mistério do gozo das mulheres

Afrodite & Panelas

Afrodite & Panelas
E no princípio era a GULA...

A Casa

A Casa
O mundo olha pelas nossas janelas...

Um Lance de Dados

Um Lance de Dados
Jamais abolirá o acaso

O Caldeirão

O Caldeirão
Ele não está no final do arco-íris

Armário e Gavetas

Armário e Gavetas
O que será que eles revelam?

Minha Cozinha

Minha Cozinha
Onde tudo começou.

Meus Segredos

Meus Segredos
Laços e refogados culinários

Nossas Luas

Nossas Luas
E são treze...

Seduções & Devaneios

Seduções & Devaneios
Eu o escreveria mil vezes!

Guadalupe, a Santíssima Mestiça

Guadalupe, a Santíssima Mestiça
Como amei descrevê-la!

Amor e Cozinha

Amor e Cozinha
Foi uma delícia escrevê-lo!